Consultório Odontológico _ Contato

Consultório Odontológico _ Contato
Clínica Geral/Odontopediatria__Telefax: (33) 3755-1526 Skype: cdmarciolara
Caso tenha alguma dúvida ou queira conversar conosco on-line, chame-nos pelo Skype ou MSN Messenger(clique abaixo) !!!

Site consultório: www.odontologialara.com.br






Google
20 ANOS DEDICADOS À ODONTOLOGIA
A SUA SAÚDE EM NOSSAS MÃOS!
INVISTA EM VOCÊ, SEU SORRISO MERECE!
MARQUE JÁ A SUA CONSULTA:
(33)3755-1526

Windows Live Messenger

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Texto: Tomate roxo contra o câncer

Tomate roxo contra o câncer

Últimas da nutrição

Nenhum outro vegetal esbanja tanta antocianina, aquela substância que afasta também doenças cardiovasculares, obesidade, diabete, mal de Alzheimer e doenças neurodegenerativas

Por Thaís Cavalheiro

Por enquanto, essa variedade – fruto da engenharia genética – é apenas uma promessa, pelo menos no Brasil. Mas os antenados em nutrição já podem ir se animando com a perspectiva de contar com essa que será uma fonte riquíssima de antocianinas, uma categoria de antioxidantes que pertencem à classe dos flavonóides. Você já deve ter ouvido falar nessas substâncias. Elas ficaram célebres por afastar certos tipos de câncer, doenças cardiovasculares e males degenerativos associados à idade. E há evidências de que tenham ação antiinflamatória, favoreçam a acuidade visual e afastem doenças como obesidade e diabete.

Os experimentos foram realizados no John Innes, um centro de excelência em pesquisa em ciência de alimentos, localizado em Norwich, na Grã-Bretanha. Os estudiosos de lá isolaram dois genes responsáveis pela pigmentação das bocas-de-dragão, planta orquidácea do gênero Epidendrum, e os introduziram no tomate. “O resultado é um fruto de cor púrpura com os mesmos pigmentos encontrados no mirtilo, só que em quantidade três vezes maior”, conta Eugenio Butelli, líder da investigação. Além das análises laboratoriais, testes com cobaias mostraram que aquelas que ingeriram um pó feito do extrato do tomate roxo tiveram uma sobrevida maior do que os ratos que receberam uma dieta convencional. Os testes clínicos, porém, ainda não estão sendo considerados. O que significa que não há nenhuma segurança de que o novo alimento não tenha efeitos tóxicos nos seres humanos. Mas, como os próprios cientistas admitem, ainda não se conhece a toxicidade do novo alimento sobre o organismo humano. E os testes clínicos ainda estão longe de serem considerados.

A nutricionista Vanderlí Marchiori, de São Paulo, mostra-se animada com a perspectiva de mais essa fonte de antocianinas entre nós. “Principalmente porque a recomendação de incluirmos na dieta cinco porções de vegetais por dia não é seguida à risca. Então, um alimento tão generoso nesses fitoquímicos pode compensar a deficiência.” E enquanto o tomate roxo não chega? “Desfrute do açaí e da berinjela – que também esbanjam o pigmento poderoso”, responde.

Fonte: Revista Saúde _ Editora Abril

Nenhum comentário:

Pesquisar postagens neste blog