Consultório Odontológico _ Contato

Consultório Odontológico _ Contato
Clínica Geral/Odontopediatria__Telefax: (33) 3755-1526 Skype: cdmarciolara
Caso tenha alguma dúvida ou queira conversar conosco on-line, chame-nos pelo Skype ou MSN Messenger(clique abaixo) !!!

Site consultório: www.odontologialara.com.br






Google
20 ANOS DEDICADOS À ODONTOLOGIA
A SUA SAÚDE EM NOSSAS MÃOS!
INVISTA EM VOCÊ, SEU SORRISO MERECE!
MARQUE JÁ A SUA CONSULTA:
(33)3755-1526

Windows Live Messenger

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Pesquisa : "O Mau Hálito (Halitose) e a Qualidade de Vida"

:: Resumo

Baseados em informações fornecidas por pacientes durante as avaliações para diagnosticar as causas e conseqüências da halitose, membros da Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas dos Odores da Boca (ABPO) observaram que muitos têm em comum a perda de qualidade de vida. A partir dessas informações, a ABPO fez uma pesquisa para saber se essa perda é uma causa ou uma conseqüência da halitose. Intitulada “O Mau Hálito e a Qualidade de Vida”, a pesquisa foi realizada em âmbito nacional.

Ela foi realizada em clínicas particulares da região sudeste, nordeste e centro-oeste do Brasil, perfazendo um total de 127 entrevistados, através de um questionário contendo questões objetivas. Sua finalidade foi conhecer o perfil do portador de halitose sob vários aspectos relacionados à qualidade de vida. Destacamos que o mesmo não nos permite estabelecer relação exata de causa e efeito. Além disso, considera-se importante salientar que todos os participantes entrevistados procuraram atendimento tendo como queixa principal halitose e que muitos responderam mais de uma opção.

RESULTADOS MAIS SIGNIFICATIVOS:

Verificou-se que 76% dos participantes foram alertados por pessoas de seu convívio social e/ou familiar, sendo 53% familiares, 26% cônjuges e 19% amigos. Embora 49% dos participantes tenham recebido o alerta com constrangimento, 48% acharam que quem o alertou fez bem, 35% interpretaram esta atitude como uma demonstração de afeto e 10% consideraram que a pessoa que o alertou foi corajosa. Constatou-se neste estudo que 99% desses participantes acham que quem tem halitose deve ser alertado. Este dado é de extrema relevância, pois derruba o mito de que a pessoa portadora da halitose se sente ofendida e de que não se deve alertar sobre o problema.

A maioria (88%) considera que a halitose tenha provocado mudanças em sua vida. Sendo 36% no âmbito social, 30% afetivo e/ou 31% profissional. Eles acreditam que a halitose os tenha tornado retraído (23%), inseguro (26%), com baixa auto-estima (14%), anti-sociais (14%), tristes (10%), deprimidos (5%) e/ou extremamente triste (3%).

Um outro fator significativo foi o grande número de pessoas que relataram roncarem (78%). O ronco na maioria das vezes está associado a uma má qualidade de vida, como, por exemplo, o ganho de peso, cansaço excessivo e ingestão de bebidas alcoólicas, podendo ainda ser fruto de obstruções mecânicas / alérgicas das vias aéreas superiores (desvio de septo, adenóide, hipertrofia de cornetos ou rinite). Outro dado importante foi o número de sedentários (52%), o que pode denotar uma má qualidade de vida.

Por fim, 92% dos pacientes pesquisados revelaram que a halitose prejudica sua qualidade de vida, sendo que 64% destes classificaram este prejuízo como “muito” ou “totalmente”.

Pôde-se verificar através desta pesquisa que muito embora halitose não seja uma doença, ela costuma provocar mudanças no padrão comportamental do indivíduo e que estas acabam por afetar suas relações inter-pessoais, sua segurança, espontaneidade e auto estima, o que termina por comprometer a sua saúde emocional. Sabe-se que a saúde emocional é de fundamental importância para todos os aspectos da vida do indivíduo e, portanto, podemos afirmar que todos os profissionais da área da saúde, em especial médicos, dentistas e psicólogos devem dar uma atenção especial a esta queixa em seus pacientes.

Outro fator importante que a pesquisa revelou é que a população deve, sim, falar abertamente sobre este assunto e avisar, sem receios, a pessoa que possui o hálito alterado. Os benefícios deste ato serão bem maiores que quaisquer constrangimentos que possam haver, pois a pesquisa revelou que, após sentirem um eventual constrangimento, 93% dos portadores de mau hálito desenvolveram um sentimento de gratidão e admiração com relação à pessoa que lhes avisou, por terem sido comunicadas de seu problema e permitir-lhes assim, procurar ajuda.


--------------------------------------------------------------------------------

ABPO
Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas dos Odores da Boca

Av. Desembargador Moreira, 2660 - Salas 116 e 117 - Aldeota
CEP: 60.170-002 - Fortaleza - CE
(85) 3087.6242 - abpo@abpo.com.br www.abpo.com.br

Nenhum comentário:

Pesquisar postagens neste blog