Consultório Odontológico _ Contato

Consultório Odontológico _ Contato
Clínica Geral/Odontopediatria__Telefax: (33) 3755-1526 Skype: cdmarciolara
Caso tenha alguma dúvida ou queira conversar conosco on-line, chame-nos pelo Skype ou MSN Messenger(clique abaixo) !!!

Site consultório: www.odontologialara.com.br






Google
20 ANOS DEDICADOS À ODONTOLOGIA
A SUA SAÚDE EM NOSSAS MÃOS!
INVISTA EM VOCÊ, SEU SORRISO MERECE!
MARQUE JÁ A SUA CONSULTA:
(33)3755-1526

Windows Live Messenger

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Autoclave: processo econômico, seguro e eficaz em esterilização.

Criscieli Salomão O.da Rosa,

Técnica da Qualidade da Stermax Produtos Médicos Ltda.


Por volta de 1880, quando se demonstrou a existência de microrganismos resistentes à fervura prolongada, percebeu-se a necessidade de elevar a temperatura acima de 100ºC. Foi quando se inventou o esterilizador a vapor e pressão que podia obter a temperatura de 120ºC ou mais. Há controvérsias de quem inventou o esterilizador, mas muitas literaturas indicam como inventor Charles Chamberland aluno e colaborador de Pasteur.

A esterilização em vapor saturado é o procedimento que oferece maior segurança e também é considerado o mais econômico. Neste tipo de esterilização os microrganismos são destruídos pela ação combinada da temperatura, pressão e umidade que promovem a termo coagulação e a desnaturação das proteínas da estrutura celular.

Podemos definir como esterilização o processo pelo qual os microrganismos são mortos, e concluir que um artigo é considerado estéril quando a probabilidade de sobrevivência dos microrganismos que contaminam é menor do que 1:1.000.0000.

São quatro os parâmetros que devem ser avaliados em processo de esterilização: temperatura, pressão, tempo e concentração de vapor. O vapor ideal para esterilização é o 100% saturado, com água não saturada na forma de uma fina névoa.

A produção de pressão e temperaturas altas é fundamental para matar os microrganismos rapidamente, a temperatura específica deve ser obtida para garantir a atividade microbicida. As duas temperaturas mais utilizadas para esterilização a vapor são 121ºC e 132ºC. Geralmente o tempo de exposição requerido para esterilizar suprimentos empacotados é de 30 minutos (OMS) a 121ºC.

Um processo de esterilização eficaz depende de vários fatores: a escolha do equipamento certo, limpeza e secagem do material, escolha da embalagem, correto funcionamento e manutenção do equipamento e armazenamento dos materiais.

Esterilização é um conceito absoluto, ou seja: ou um material está esterilizado ou não está. Portanto não se pode afirmar que uma autoclave esteriliza “melhor” do que outra. O que pode diferenciar é o tipo do uso pretendido, a escolha do equipamento deve ser baseada nesse requisito.

No caso dos modelos analógicos e Digitais, por exemplo: o modelo digital é mais indicado quando se tem materiais sensíveis à temperatura, por permitir a escolha da temperatura e tempo de secagem, possui despressurização automática, tem menor consumo de energia (a resistência tem atuação descontínua), é possível acompanhar os parâmetros de funcionamento através do painel micro processado e pode-se programar centenas de ciclos diferentes. Já o modelo Analógico a despressurização é manual, não é possível escolher a temperatura e o tempo de secagem. Porém nos dois equipamentos ocorrerá uma esterilização eficaz.


A embalagem escolhida também tem um papel importante na esterilização, a mesma tem a finalidade de proteger os materiais, após o processo de esterilização e até o momento do uso, por isso devem permitir a passagem de vapor e proteger o conteúdo contra a contaminação.


Embalagens Para Esterilização
Os principais tipos de invólucros são: Tecido de algodão cru, embalagens de papel grau cirúrgico, embalagens de papel crepado e embalagens de tecido não tecido (SMS) lembrando que este tipo deve ser de polipropileno de tripla camada resistente a 134ºC. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária exige que as embalagens tenham registro, sendo ilegal utilizar embalagens sem registro.

Indicadores
Para a garantia do processo de esterilização é necessário realizar o controle da eficácia da esterilização que pode ser químico ou biológico. Os testes químicos podem indicar uma provável falha no processo de esterilização. A vantagem de seu uso é a leitura imediata após o processamento do material.

Porém a monitorização mais confiável é a biológica que é feita com microrganismos tecnicamente preparados para demonstrar a esterilização. São preparações padronizadas de esporos de Bacillus stearothermophilis numa concentração de 106, comprovadamente resistentes e específicos para o processo de esterilização por vapor saturado. A Anvisa recomenda o uso semanal dos indicadores biológicos.

Importante salientar que para o correto funcionamento do equipamento é necessária a correta manutenção preventiva.

A esterilização deve ir além de um processo exigido pelos Órgãos Sanitários, é uma questão de saúde e responsabilidade de quem trata desse processo. Pois uma esterilização eficaz pode salvar vidas.

Fonte: http://permed.com.br/blog

Nenhum comentário:

Pesquisar postagens neste blog